PRÓ-reitoria de recursos humanos e assuntos comunitários icon

PRÓ-reitoria de recursos humanos e assuntos comunitários



Similar
1   2   3

PALADINI, Edson Pacheco. Gestão da qualidade no processo: qualidade na produção de bens e serviços. São Paulo: Atlas, 1995.

PRESTES MOTTA, Fernando; VASCONCELOS, Isabella. Teoria geral da administração. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2004.

^ POZO, Hamilton. Administração de recursos materiais e patrimoniais. 1. Ed. São Paulo, Atlas, 2001.

RITZMAN, L. P.; KRAJEWSKI, L. J. Administração da produção e operações. São Paulo: Pearson, 2004.

ROBBINS, Stephen Paul. Comportamento organizacional. 9.ed., S.Paulo: Prentice Hall, 2002.

SOBRAL, Filipe; PECI, Alketa. Administração: teoria e prática no contexto brasileiro. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2008.

SLACK, Nigel et al. Administração da produção. São Paulo: Atlas, 2002.

STONER, James A. ; FREEMAN, R. Edward. Administração. 5.ed. Rio de Janeiro: Prentice-Hall do Brasil, 1985.

TUBINO, Dalvio Ferrari. Manual de planejamento e controle de produção. São Paulo: Atlas, 2000.

ULRICH, Dave. Gestão estratégica de pessoas com scorecard interligando pessoas, estratégias e performance. Rio de Janeiro: Campus, 2001.

ULRICH, Dave. Os campeões de Recursos Humanos: inovando para obter os melhores resultados. São Paulo: Futura, 1998.

ULRICH, Dave. Recursos Humanos Estratégicos: novas perspectivas para os profissionais de RH. São Paulo: Futura, 2000.

VIANA, João J. Administração de materiais: um enfoque prático. 1. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

VROOM, Victor. (org.). Gestão de pessoas, não de pessoal. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO / Área de conhecimento ou matéria:

(10) Administração Geral.

^ PROGRAMA DE PROVA

1. Teoria Geral da Administração.

2. Processos e Técnicas Administrativas.

3. Administração financeira.

4. Administração da produção.

5. Administração de Materiais e Logística.

6. Administração Mercadológica.

^ 7. Administração de Recursos Humanos.

8. Administração Pública.

REFERÊNCIAS

ALVARENGA, Antonio C. e NOVAES, Antonio G. Logística aplicada: suprimentos e distribuição física. 3. ed. Editora Edgar Blüches Ltda, 2000.

BALLOU, R. H. Gerenciamento da cadeia de suprimentos. Porto Alegre: Bookman, 2001.

BALLOU, Ronald H. Logística empresarial. 1. ed. São Paulo: Atlas, 1993.

BATEMAN, Thomas S.; SNELL, Scott A. Administração: construindo vantagem competitive. São Paulo: Atlas, 1998.

BAZERMAN, Max H. Processo decisório: para cursos de administração e economia. Tradução de Arlete Simille Marques. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

BERNARDES, Ciro; MARCONDES, Reynaldo. Teoria geral da administração: gerenciando organizações. 3. ed. São Paulo: Saraiva, 2003.

BITENCOURT, Cláudia. Gestão contemporânea de pessoas novas práticas, conceitos tradicionais. Porto Alegre: Bookman, 2003.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil, 1998.

BRESSER PEREIRA, Luís Carlos. Gestão do setor público: estratégia e estrutura para um novo Estado. In: BRESSER

PEREIRA, Luís Carlos e SPINK, Peter Kevin (orgs). Reforma do estado e administração pública gerencial. Rio de Janeiro: FGV, 2001, p. 21-39

CHIAVENATO, Idalberto. Teoria geral da administração. 7. ed. São Paulo: Campus, 2003.

CHIAVENATO, Idalberto. Administração: teoria, processo e prática. 4 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007.

CURY, Antonio. Organização e métodos: uma visão holística. 7. ed. rev. e ampl. São Paulo: Atlas, 2000.

CROCCO, Luciano; TELLES, Renato; GIOIA, Ricardo M.; RCOHA, Thelma; STREHLAU, Vivian I. Fundamentos de marketing: conceitos básicos. São Paulo: Saraiva, 2006. 185p.

DAFT, Richard L. Organizações: teorias e projetos. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2002.

DIAS, Marco Aurélio. P. Administração de materiais: uma abordagem logística. 4ª. Ed. São Paulo: Atlas, 1993.

DIAS, Sergio R. (Org.) Gestão de marketing. São Paulo: Saraiva, 2003. 539p.

DOLAN, Simon L.ABRERA, Ramón Valle.; JACKSON, Susan E. y SCHULER, Randall S. La gestión de los recursos humanos. Preparando profesionales para el siglo XXI. Madrid: McGraw Hill, 2003.

GITMAN, Lawrence J. Princípios de administração financeira. 7. Ed. São Paulo: Harbra, 1997.

KEINERT, Tânia Margarete Mezzomo. Administração pública no brasil. Crises e mudanças de paradigmas. São Paulo: FAPESP, 2000.

LIMONGI-FRANÇA, Ana Cristina et al, As Pessoas na organização. São Paulo: Editora Gente, 2002.

MARTINS, Petrônio G. e ALT, Paulo R. C. Administração de materiais e recursos patrimoniais. 2. Ed. São Paulo: Saraiva, 2006.

MEGGINSON, L. C.; MOSLEY, D. C. ; PIETRI Jr., P. H. Administração: conceitos e aplicações. São Paulo: Harper & Raw, 1986.

MONTANA, Patric J. ET all. Administração. São Paulo: Saraiva, 1998. MORGAN, Gareth. Imagens da organização. São Paulo: Atlas, 1996.

MOTTA, Fernando Cláudio Prestes.Teoria geral da administração. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2006.

PAES DE PAULA, Ana Paula. Administração pública brasileira entre o gerencialismo e a gestão social. Revista da Administração de Empresas, ERA, Debate, jan./mar. 2005, p. 37-49.

PALADINI, Edson Pacheco. Gestão da qualidade no processo: qualidade na produção de bens e serviços. São Paulo: Atlas, 1995.

PRESTES MOTTA, Fernando; VASCONCELOS, Isabella. Teoria geral da administração. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2004.

POZO, Hamilton. Administração de recursos materiais e patrimoniais. 1. Ed. São Paulo, Atlas, 2001.

RITZMAN, L. P.; KRAJEWSKI, L. J. Administração da produção e operações. São Paulo: Pearson, 2004.

ROBBINS, Stephen Paul. Comportamento organizacional. 9.ed., S.Paulo: Prentice Hall, 2002.

SOBRAL, Filipe; PECI, Alketa. Administração: teoria e prática no contexto brasileiro. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2008.

SLACK, Nigel et al. Administração da produção. São Paulo: Atlas, 2002.

STONER, James A. FREEMAN, R. Edward. Administração. 5.ed. Rio de Janeiro: Prentice-Hall do Brasil, 1985.

TUBINO, Dalvio Ferrari. Manual de planejamento e controle de produção. São Paulo: Atlas, 2000.

ULRICH, Dave. Gestão estratégica de pessoas com scorecard interligando pessoas, estratégias e performance. Rio de Janeiro: Campus, 2001.

ULRICH, Dave. Os campeões de Recursos Humanos: inovando para obter os melhores resultados. São Paulo: Futura, 1998.

ULRICH, Dave. Recursos Humanos Estratégicos: novas perspectivas para os profissionais de RH. São Paulo: Futura, 2000.

VIANA, João J. Administração de materiais: um enfoque prático. 1. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

VROOM, Victor. (org.). Gestão de pessoas, não de pessoal. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

DEPARTAMENTO DE DIREITO PÚBLICO / Área de conhecimento ou matéria:

(11) Instituição de Direito.

^ PROGRAMA DE PROVA

Ponto 1:

1.1 Direito: conceito, natureza, caracteres e divisão.

1.2 O estado e seus elementos constitutivos.

1.3 Teorias da conduta Punível.

1.4 Atividade financeira do Estado.

1.5 Relação de emprego.

^ 1.6 Teoria Geral da norma jurídica.

1.7 Agentes Diplomáticas e Consulares.

Ponto 2:

2.1 Formas de Estado. Formas de Governo.

2.2 Poder Legislativo.

2.3 Direito e Moral.

2.4 Teorias do Tipo.

^ 2.5 Organização das Nações Unidas.

2.6 Princípios constitucionais tributários.

2.7 Interrupção e suspensão do contrato de trabalho e natureza Jurídica das relações empregatícias.

Ponto 3:

3.1 Antijuridicidade penal.

3.2 Do Processo legislativo.

3.3 Direitos e garantias fundamentais.

^ 3.4 Contratos administrativos.

3.5 Obrigação tributária.

3.6 Férias.

3.7 Responsabilidade internacional do Estado.

PONTO 4:

4.1 Da Organização do Estado Federal Brasileiro.

4.2 Culpabilidade penal.

4.3 Evolução e fontes do Direito Internacional Público.

4.4 Atos administrativos. Lançamento tributário.

^ 4.5 Descanso semanal remunerado.

PONTO 5:

5.1 Poder Judiciário

5.2 Extradição e asilo.

5.3 O homem nas relações internacionais.

5.4 Da defesa do Estado e das instituições democráticas.

5.5 Escolas penais.

^ 5.6 Serviços públicos.

5.7 Suspensão e exclusão do crédito tributário.

5.8 Alteração do contrato individual de trabalho.

PONTO 6:

6.1 Interpretação e aplicabilidade das normas constitucionais.

6.2 Espécies normativas. Da tentativa.

6.3 Fundações e Autarquias.

^ 6.4 Impostos Federais, Garantias, privilégios e preferências do crédito tributário.

6.5 Tratados Internacionais.

6.6 Justas Causas para a rescisão do contrato de trabalho.

PONTO 7:

7.1 Poder Executivo.

^ 7.2 Concurso de pessoas.

7.3 Sucessão de Estados.

7.4 Organização dos Estados Americanos.

7.5 Empresas públicas e sociedades de economia mista.

7.6 Fato gerador da obrigação tributária.

7.7 Aviso prévio e indenização.

PONTO 8:

^ 8.1 Da Nacionalidade e dos Direitos políticos.

8.2 Concurso aparente de norma penal e concurso de crimes.

8.3 Direitos e Deveres dos Estados.

8.4 Litígios internacionais.

8.5 Poder de Policia.

8.6 Impostos estaduais.

^ 8.7 Classificação geral dos Impostos.

8.8 Estabilidade e FGTS.

PONTO 9:

9.1 Controle da constitucional idade das leis e demais atos normativos.

9.2 Organizações Supranacíonais, Européias, Asiáticas e Africanas.

^ 9.3 Da Sanção Penal.

9.4 Desapropriação.

9.5 Impostos municipais.

9.6 Competência, capacidade e responsabilidade tributárias.

9.7 Direito Sindical.

PONTO 10:

10.1 Da ordem econômica e financeira.

10.2 Da ordem social.

10.3 Do Conselho da República e do Conselho de Defesa Nacional.

^ 10.4 O domínio Público.

10.5 Extinção do crédito tributário.

10.6 Convenções e acordo coletivo de trabalho.

10.7 A Guerra Frente ao Direito Internacional Contemporâneo.

10.8 Medidas de segurança. Sursi e livramento condicional.

REFERÊNCIAS

ACCIOLY, Hildebrando. Manual de Direito Internacional Público, SP., Saraiva. [s.d.]

ACCIOLI, Wilson. Instituições de Direito Constitucional, Rio, Forense, 1984.

AMERICANO, Odin I. do Brasil. Manual de Direito Penal, SP., Saraiva, 1985.

ARAUJO, Luis I. de Amorim. Curso de Direito Internacional Publico, Rio, Forense. [s.d.]

ATALIBA, Geraldo. Direito Tributário. Edit. Revista dos Tribunais, SP., 1981.

BALEEIRO, Aliomar. Direito Tributário Brasileiro, Rio, Forense, 1967.

BASTOS, Celso R. Curso de Direito Constitucional, SP. Saraiva, 1989.

BATAGLINI, G. Direito Penal, 3 vols. SP., tradução brasileira, Saraiva. [s.d.]

BECKER, Alfredo Augusto. Teoria Geral do Direito Tributário, Saraiva, 1963.

BETTIOL, G. Direito Penal, 3 vols. SP. RT. tradução brasileira. [s.d.]

BONAVIDES, Paulo. Ciência Política, Rio, Forense, 1983.

BRUNO, Aníbal. Direito Penal, Rio, Forense, 3 vols. [s.d.]

CARVALHOSA, Modesto. A Ordem Econômica na Constituição de 1969, SP., RT., 1972. Constituição Federativa do Brasil (nova), SP., Atlas, 1988.

CUNHALUNA, Eduardo. Capítulos de Direito Penal, SP., Saraiva, 1985.

DE JESUS, Damásio E. Direito Penal, vols. 1, 2, e 3, SP., Saraiva, 1985.

FERRAZ JR., Teórico Sampaio. Ciência do Direito, SP., Atlas, 1977.

FERREIRA FILHO, Manoel G. Curso de Direito Constitucional, SP.saraiva,1989.

FIGUEIREDO, Ariovaldo Alves de. Comentários ao Código Penal, Parte Geral, SP., Saraiva, 1985.

FRAGOSO, Helena C. Lições de Direito Penal, Rio, Forense, 1985.

GAMA, João da. Sistema de Direito do Trabalho, 19 Vol., Edit. Revista dos Tribunais, SP., 1961.

GASPARINI, Diógenes. Direito Administrativo. Edit. Saraiva, SP., 1989.

GIGLIO, Wagner D. Férias e Descansos Remunerados, Editora LTR, SP. 1978.

GOITSCHALK, Élson. Curso de Direito do Trabalho, Forense, Rio de Janeiro. [s.d.]

HUNGRIA, Nelson. Comentários ao Código Penal, Rio, Forense. [s.d.]

JACQUES, Paulino. Curso de Direito Constitucional, Rio, Forense, 1977.

KELSEN, Hans. Teoria pura do Direito, Coimbra, Armênio Amado Editor, Tradução de João Baptista Machado, 1974.

LAMARCA, Antonio. Manual de Justas Cansas. Edit. Revista aos ir Dundu, ir. [s.d.]

MATTOS, Adherbal Meira. Direito Internacional Público, SP., Saraiva. [s.d.]

MATTOS, José Dalmo Fairanks S. de. Manual de Direito Internacional Público, SP, Saraiva. [s.d.]

MAXIMILIANO, Carlos. Hermenêutica e Aplicação do Direito, Rio, Forense, 1979.

MAZZARI, Giuliano. Relacões-Coletivas de Trabalho, Editora Revista dos Tribunais, 1972.

MEIRELEES, Hely Lopes. Direito Administrativo Brasileiro, SP., RT., 1967.

MELLO, Celso D. de Albuquerque. Curso de Direito Internacional Público, 2 vols., Biblioteca Jurídica Freitas Bastos. [s.d.]

MENEZES, Djacir. Tratado de Filosofia de Direito, SP. Atlas, 1980.

MIGUEL, Jorge. Curso de Direito Constitucional, Edit. Atlas, SP., 1989.

MIRANDA, Pontes de. Comentários à Constituição de 1967, SP. RT. 1969.

NORONHA, E. Magalhães. Direito Penal, v. 1 (2,3,4), (SP), Saraiva, 1985 (atualizada).

NUVOLONE, Pietro. O Sistema de Direito Penal . SP. RT. Tradução Brasileira. [s.d.]

PINHEIRO, José Rodrigues. Comentários à Nova Parte do Código Penal, SP., Saraiva, 1985.

PRADO, Luiz R. & KARAN, Munir. Estudos de Filosofia do Direito, SP., RT. 1985.

REALE, Miguel. Filosofia do Direito, SP:, Saraiva, 1975.

REZEK, J.F. Direito Internacional Público, SP. Saraiva. [s.d.]

RIBEIRO DE VILHENA, Paulo Emílio. Direito do Trabalho e Fundo de Garantia, Editora LTR. SP., 1978.

RIBEIRO DE VILHENA, Paulo Emílio. Relação de Emprego, Editora Saraiva, SP. [s.d.]

SALDANHA, Nelson. Formação da Teoria Constitucional, Rio, Forense, 1983.

SANTOS; Gerson Pereira dos - Inovações do Código Penal, Parte Geral, SP., Saraiva, 1985.

SILVA, José Afonso da - Curso de Direito Constitucional Positivo, SP. RT, 1984.

SUSSEKIND, Arnaldo; MARANHÃO, Delio & VIANA, Segadas - Instituições de Direito do Trabalho, 2º v., Liv. Freitas Nobre, 1984.

VILANOVA, Lourival - As Estruturas Lógicas e o Sistema do Direito Positivo, SP., RT. , 1977.

DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO / Área de conhecimento ou matéria:

(12) Projeto Arquitetônico e Representação Bidimensional e Tridimensional

^ PROGRAMA DE PROVA

1. Introdução à Arquitetura e ao Urbanismo.

1.1 Fundamentos da Arquitetura e do Urbanismo.

1.2 Introdução ao projeto arquitetônico.

1.3 Pesquisa em arquitetura e urbanismo.

1.4 Simbolismo na arquitetura e no urbanismo.

^ 1.5 A arquitetura como resultado das complexas relações sociais.

1.6 Compreensão e leitura do espaço urbano.

2. Projeto Arquitetônico.

2.1 Programa de necessidades: concepção e condicionantes.

2.2 Partido arquitetônico.

^ 2.3 Estudo preliminar de edificação de pequeno porte inserida no meio urbano.

2.4 Anteprojeto de edificação de pequeno porte inserida no meio urbano.

2.5 Representação do projeto arquitetônico: memorial, peças gráficas e modelo tridimensional.

^ 2.6 Estudo das relações entre forma, função, técnicas construtivas, materiais, sistemas estruturais e o ambiente urbano.

3 Desenho Projetivo e sua aplicação na representação arquitetônica.

3.1 Projeções ortogonais: planta, corte e elevação.

3.2 Representação tridimensional: perspectivas.

^ 3.3 Detalhamento do objeto arquitetônico: sistemas de abertura, de circulação e de cobertura.

REFERÊNCIAS

ABNT. NBR 9050. Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Normas Técnicas, 2004.

ABNT. NBR 6492. Representação de Projetos em Arquitetura. Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Normas Técnicas, 1994.

ARGAN, G. C. Projeto e Destino. São Paulo: Ática, 2001.

ARTIGAS, J. B. V. Caminhos da Arquitetura. São Paulo: Cosac Naify, 2004.

BENEVOLO, L. Introdução à Arquitetura. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

CHING, F. D. K. Técnicas de Construção Ilustradas. Porto Alegre: Bookman, 2002.

CORBUSIER, L. Por uma Arquitetura. São Paulo: Perspectiva, 1989.

COSTA, L. Arquitetura. José Olympio, 2010.

COSTA, L. Lúcio Costa: Registro de uma vivência. São Paulo: Empresa das Artes, 1995.

DUNSTER, D. 100 Casas Unifamiliares de la Arquitectura del Siglo XX. Barcelona: Gustavo Gili, 2003.

HERTZBERGER, H. Lições de Arquitetura. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

INAKI, A. La Buena Vida. Barcelona: Gustavo Gili, 2001.

JUROSZEK, S. P.; CHING, F. D. K. Repesentação Gráfica para Desenho e Projeto. Barcelona: Gustavo Gili, 2001.

MONEO, R. Inquietação Teórica e Estratégia Projetual. São Paulo: Cosac Naify, 2008.

NEUFERT, E.; NEUFERT, P. A Arte de Projetar em Arquitetura. Barcelona: Gustavo Gili, 2004.

OBERG, L. Desenho Arquitetônico. São Paulo: Ao Livro Técnico, 1998.

PANERO, J.; MARTIN, Z. Dimensionamento Humano para Espaços Interiores. Barcelona, Gustavo Gili, 2002.

SCHINEIDER, F. (Ed) Atlas de Plantas: vivendas. Barcelona: Gustavo Gili, 2000.

SEGRE, R. Arquitetura Brasileira Contemporânea. Rio de Janeiro: Viana e Mosley, 2004.

SERRA, G.G. Pesquisa em Arquitetura e Urbanismo - Guia prático para o trabalho de pesquisadores em pós-graduação. São Paulo: EDUSP; Mandarim, 2002.

SOARES FILHO, Oscar Niemeyer. Minha Arquitetura. Oscar Niemeyer. 3 de. Rio de Janeiro: Renavan, 2000.

ZEVI, B. Saber Ver Arquitetura. São Paulo: Martins Fontes,

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL / Área de conhecimento ou matéria:

(13) Construção Civil.

^ PROGRAMA DE PROVA

1. (a) Introdução ao desenho técnico: Manejo de instrumentos, escrita técnica, formatos de papel, margens, legendas e dobramento; (b) Execução e análise de desempenho de subsistemas construtivos: estruturas, vedações horizontais e verticais, e coberturas.

2. (a) Padronização do desenho técnico: representação: ponto, linhas, traços e plano; caligrafia técnica; (b) Execução e análise de desempenho de subsistemas construtivos: revestimentos, esquadrias, sistemas de proteção e impermeabilização.

3. (a) Padronização do desenho técnico: escalas: gráficas e numéricas, cotas; (b) Processos construtivos tradicionais e industrializados.

4. (a) Desenho geométrico: paralelas e perpendiculares; proporcionalidade e divisão de segmentos;(b) Manutenção das edificações.

5. (a) Desenho geométrico: Concordância de segmentos e arcos; (b) Patologia das construções;

6. (a) Sistema de representação: projeção ortogonal, representação de cortes; (b) Canteiro de obras. Segurança do trabalho no canteiro de obras. Controle de águas. Execução de contenções e muros de arrimo.

7. (a) Sistema de representação: Perspectiva isométrica; (b) Escavação em solos e rochas. Execução de fundações.

8. (a) Projeto arquitetônico: fundamentos, normas e convenções do desenho arquitetônico; (b) Execução de cimbramentos e escoramentos. Montagem de tubulões.

9. (a) Projeto arquitetônico: plantas, cortes e elevações; (b) Orçamento da edificação. Cronograma físico-financeiro PERT-CPM e representação gráfica.

10. (a) Projeto arquitetônico: Representação de projetos arquitetônicos; (b) Detalhamento técnico-construtivo das etapas executivas da edificação.

REFERÊNCIAS

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT) NBR - 5674: Manutenção de edificações - Procedimento Rio de Janeiro, Set, 1999

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT) NBR-7171: Bloco cerâmico para alvenaria - Especificação. Rio de Janeiro, 1992.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 10067: Princípios gerais de representação em desenho técnico. Rio de Janeiro, Mai, 1995.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 10068: Folha de desenho - Leiaute e dimensões. Rio de Janeiro, Out, 1987.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 10126: Cotagem em desenho técnico. Rio de Janeiro, Nov, 1987.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 10582: Apresentação da folha para desenho técnico. Rio de Janeiro, Dez, 1988.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT).NBR 6136: Bloco vazado de concreto simples para alvenaria estrutural - Especificação. Rio de Janeiro, 1994

^ ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT).NBR 7186: Bloco vazado de concreto simples para alvenaria estrutural - Método de ensaio. Rio de Janeiro, 1979

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT).NBR 8798: Execução e controle de obras em alvenaria estrutural de blocos vazados de concreto - Procedimento. Rio de Janeiro, 1985

^ AZEREDO, H. A. O edifício até sua cobertura. 2ª. ed. São Paulo: Editora Edgard Blücher, 1997, 188p.

AZEREDO, H. A. O edifício e seu acabamento. São Paulo: Editora Edgard Blücher, 1987, 192p.

BORGES, ALBERTO DE CAMPOS. Prática das Pequenas Construções. 8ª Ed. São Paulo: Editora Edgard Blücher, V. 1, 1996, 336p.

FERREIRA, Patrícia; MICELI, Maria Teresa. Desenho técnico básico. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, 2001.

FRENCH, Thomas E.; VIERCK, Charles J. Desenho técnico e tecnologia gráfica. Porto Alegre: Globo, 1995.

JUROSZEK, Steven P.; CHING, Francis D. K. Representação gráfica para desenho e projeto. Barcelona: GUSTAVO GILI, 2001.

MASCARÓ, JUAN. O Custo das Decisões Arquitetônicas. 4ª ed. São Paulo: IBI/Editora Pini

MONTENEGRO, Gildo A. Desenho arquitetônico. São Paulo: Edgard Blucher, 1998.

NEUFERT, Ernest. A Arte de Projetar em Arquitetura. São Paulo: Gustavo Gili, 1976.

PIRONDI, Z. Manual Prático da Impermeabilização e de Isolação Térmica.2ª. Ed. São Paulo: IBI / Editora Pini, SP, 1988.

PUJADAS, F. A.; GOMIDE, T. L. F.; FAGUNDES, J. C. P. Técnicas de Inspeção e Manutenção Predial. 1ª.ed. São Paulo: IBI/Editora Pini, 2007.

SILVA, Arlindo; RIBEIRO, Carlos Tavares; DIAS, João. Desenho técnico moderno. Rio de Janeiro: LTC, 2006.

SOUZA, UBIRACI E. LEMES DE. Como Reduzir Perdas nos Canteiros - Manual de Gestão do Consumo de Materiais na Construção Civil. 1ª. Ed. São Paulo: IBI/Editora Pini.

TISAKA, MAÇAHIKO. Orçamento na Construção Civil - Consultoria, Projeto e Execução. 1ª. Ed. São Paulo: IBI/Editora Pini

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL / Área de conhecimento ou matéria:

(14) Infra-Estrutura em Transportes.

^ PROGRAMA DE PROVA

1. Projeto geométrico de rodovias.

2. Projeto de terraplanagem de rodovias.

3. Materiais asfálticos e sua aplicação em pavimentação.

4. Bases e sub-bases estabilizadas de pavimentos flexíveis.

^ 5. Misturas asfálticas a quente.

REFERÊNCIAS

AASHTO. A policy on geometric design of highways and streets. American Association of State Highway and Transportation Officials. Washington, D.C., 2002.

BALBO, J. T. Pavimentação Asfáltica - Materiais, Projeto e Restauração. Oficina de Texto. São Paulo, 2007.

BERNUCCI, L. B.; MOTTA, L. M. G.; CERATTI, J. A. P.; SOARES, J. B. Pavimentação Asfáltica. Formação básica para engenheiros. Petrobrás/ABEDA. Rio de Janeiro, 2006.

INSTITUTO DE ASFALTO. Manual de asfalto. Serie do Manual nº 4 (MS-4), Instituto do asfalto. Lexignton, 1989.

PIMENTA, C. R; OLIVEIRA, M. P. Projeto geométrico de Rodovias. RiMa. São Carlos, 2004.

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL / Área de conhecimento ou matéria:

(15) Instalações Elétricas Prediais - Baixa Tensão e Desenho.

^ PROGRAMA DE PROVA

1. Conceitos básicos de Eletricidade. Normas técnicas e convenções para o desenho técnico.

2. Fornecimento de Energia aos Prédios. Alimentadores Gerais. Desenho geométrico: paralelas e perpendiculares; proporcionalidade e divisão de segmentos;.concordância de segmentos e arcos.

^ 3. Instalações para Iluminação e Aparelhos Domésticos. Sistema de representação: projeção ortogonal, representação de cortes, perspectiva isométrica.

4. Condutores Elétricos. Dimensionamento e Instalação. Desenho assistido por computador.

5. Luminotécnica. Fundamentos do desenho arquitetônico.

REFERÊNCIAS

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS NBR 5410: Instalações elétricas de baixa tensão. Rio de Janeiro, 1980

__ NBR 5444: Símbolos gráficos para instalações elétricas prediais. Rio de Janeiro, 1988

__ NBR 5473: Instalações elétricas prediais. Rio de Janeiro, 1986

__ NBR 1492 - Representação de projetos de arquitetura. Rio de Janeiro: ABNT, 1994.

__ NBR 8196 - Desenho técnico - Emprego de escalas. Rio de Janeiro: ABNT, 1992.

__ NBR 8402 - Execução de caractere para escrita em desenho técnico. Rio de Janeiro: ABNT, 1994.

__ NBR 8403 - Aplicação de linhas em desenhos - Tipos de Linhas - Larguras das Linhas. Rio de Janeiro: ABNT, 1984.

__ NBR 10067: Princípios gerais de representação em desenho técnico. Rio de Janeiro: ABNT, 1995.

__ NBR 10068: Folha de desenho - Leiaute e dimensões. Rio de Janeiro: ABNT, 1987.

__ NBR 10126: Cotagem em desenho técnico. Rio de Janeiro: ABNT, 1987.

__ NBR 10582: Apresentação da folha para desenho técnico. Rio de Janeiro: ABNT, 1988.

COTRIM, ADEMARO A. M. B. Instalações Elétricas. Rio de Janeiro: Makron Books. [s.d.] CREDER, HÉLIO. Instalações Elétricas. 15ª Ed. Rio de Janeiro: LTC, 2007.

KRATO, HERMANN. Projetos de Instalações Elétricas. São Paulo: Editora Pedagógica Universitária. [s.d.]

FERREIRA, P.; MICELI, M. T. Desenho técnico básico. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, 2001.

FRENCH, T. E.; VIERCK, C. J. Desenho técnico e tecnologia gráfica. 6ª ed. Rio de Janeiro: Globo. 1999.

MOTENEGRO, G. A. Desenho arquitetônico. 4ª ed. São Paulo: Edgard Blücher, 2001.

NISKIER, JULIO. Manual de Instalações Elétricas. 1ª. Ed. São Paulo: LTC. [s.d.]

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA / Área de conhecimento ou matéria:

(16) Operações Unitárias.

^ PROGRAMA DE PROVA

1. Filtração.

2. Destilação.

3. Extração.

4. Absorção.

5. Agitação e Mistura.

6. Bombas e Tubulações.

7. Leitos Fico e Fluidizado.

8. Trocador de Calor.

9. Secagem.

^ 10. Sedimentação Gravitacional e Centrífuga.

REFERÊNCIAS

COULSON & RICHRDSON. Tecnologia Química. Vol.2 - Fundação Caloustre Gulbenkian. [s.d.] FOUST E COLABORADORES. Princípios das Operações Unitárias. Guanabara dois, 1982.

MCCABE - SMITH. Unit Operations of Chemical Engineering. McGraw - Hill - 4ª edição.

PERRY & CHILTON. Manual de Engenharia Química. Guanabara dois, 5ª edição.

SHREVE, R.N. Indústria de Processos Químicos. 4ª Edição, Guanabara dois, 1977.

TREYBAL, R.E. Mass Transfer Operations. McGraw - Hill - 3ª edição.

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÌMICA / Área de conhecimento ou matéria:

(17) Tecnologia de Carnes e Análise Sensorial.

^ PROGRAMA DE PROVA

1. Tecnologia da carne bovina.

2. Tecnologia da carne suína.

3. Tecnologia dos pescados.

4. Tecnologia da carne de aves.

5. Alterações pos mortem em carnes.

6. Seleção e treinamento de degustadores.

^ 7. Testes descritivos.

8. Testes discriminativos.

9. Testes de aceitação.

REFERÊNCIAS

DUTCOSKY, S.D. Análise Sensorial de Alimentos. Editora Universitária Champagnat, Curitiba, 123 p., 1996.

HEDRICK,H.B.; ABERLE, E.D.; FORREST, J.C.; JUDGE, M.D.; MERKEL, R.A. Principles of Meat Science. 3rd ed., Kendall/Hunt Publ. Co., Dubuque, Iowa. 1994. 354p.

MEILGAARD, D. T. M.; CIVILLE, B.S.G.V.; THOMAS CARR, M.S.B. Sensory evaluation techniques. Bocaraton - Flórida, 1988

Pardi et al. Ciência e Tecnologia da Carne. v.1 e 2. Goiânia: EDUF/UFG, 2002.

DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA / Área de conhecimento ou matéria:

(18) Matemática.

^ PROGRAMA DE PROVA

1. Sequência e séries de números reais.

2. Limites e continuidade de funções de uma variável real.

3. Integral de Riemann de funções de uma variável real.

4. Equações diferenciais ordinárias.

^ 5. Cálculo diferencial de funções de mais de uma variável real.

6. Integração múltipla.

7. Integrais curvilíneas e integrais de superfície.

8. Espaços vetoriais.

9. Transformações lineares.

10. Autovalores e autovetores.

REFERÊNCIAS

ANTON, H. e RORRES, C.; Álgebra linear com aplicações. 8.ª ed. Bookman. 2001.

BOLDRINI, J. L. et al.; Álgebra linear. 3.ª ed., São Paulo, Harbra, 1986.

BOYCE, W. e DIPRIMA, R.. Equações Diferenciais Elementares e Problemas de Valores de Contorno. 8ª ed. Rio de Janeiro: LTC, 2006.

BRAUN, M. Equações Diferenciais e suas Aplicações. Rio de Janeiro, 1979.

EDWARDS, C. H.; PENNEY, D. E., Cálculo com Geometria Analítica. Vol 1 e 2. 4ª ed. Rio de Janeiro: LTC, 2004.

FIGUEIREDO, D. G. Análise I. 2ª Ed. Livros Técnicos e Científicos Editora. 1996.

GUIDORIZZI, H. L.; Um curso de cálculo. Vols. 1, 2, 3 e 4. 5.ª ed. LTC. 2001.

HOFFMAN, K.; KUNZE, R.; Álgebra Linear. 2ª Ed., Rio de Janeiro, Livros Técnicos e Científicos, 1979.

KREYSZIG, E.; Matemática Superior para Engenharia. Vols. 1 e 2. 9.ª ed. LTC. 2009.

LEITHOLD, L., O Cálculo com Geometria Analítica, Vol 1 e 2. 3ª ed., São Paulo: Harba, 1994.

LIMA, E. L.; Álgebra linear. 7.a ed., Rio de Janeiro, IMPA. 2006.

LIMA, E. L.; Curso de Análise, Vol 1, 12ª ed. Rio de Janeiro, IMPA. 2007.

SPIVAK, M. Calculus; 4.a ed. Publish or Perish. 2008.

THOMAS, G. et al.; Cálculo Vol. 1 e 2. 10ª ed., São Paulo: Addison Wesley, 2003.

DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA / Área de conhecimento ou matéria:

(19) Materiais de Construção e Estruturas.

^ PROGRAMA DE PROVA

1. Agregados e pedras naturais.

2. Aglomerantes.

3. Argamassas.

4. Concretos.

5. Madeiras.

6. Noções de estática Clássica: Equilíbrio de ponto e corpos rígidos.

7. Características geométricas de seção transversal.

^ 8. Diagramas de Esforços internos: Esforço normal, Esforço cortante e momento fletor.

9. Conceito de tensão e deformação.

10. Flexão em vigas.

REFERÊNCIAS

A.B.N.T., Materiais para Concreto e Concreto Armado - Especificações e Métodos de Ensaios, Associação Brasileira de Normas Técnicas, Rio de Janeiro, 1978.

BAUER, L. A. F., Materiais de Construção V. 1 e 2, Livros Técnicos e Científicos, São Paulo, 2001.

GERE, J.M. Mecânica dos materiais, Editora thomson, 1ª edição, 2003.

HIBBELER, R.C., Estática - Mecânica para Engenharia, Editora Prentice Hall do Brasil, 10ª edição, 2004.

HIBBELER, R.C., Resistência dos Materiais, Editora Prentice Hall do Brasil, 5ª edição, 2004.

NEVILLE, A. M., Propriedades do Concreto, Editora Pini Ltda, São Paulo, 1982.

PETRUCCI, E., Concreto de Cimento Portland, Editora Globo, Porto Alegre, 1995.

PETRUCCI, E., Materiais de Construção, Editora Globo, Porto Alegre, 1995.

PFEIL, W., Estruturas de Madeira, Livros Técnicos e Científicos Editora S.A., Rio de Janeiro, 1985.

RIPPER, Ernesto. Manual Prático de Materiais de Construção. Ed. Pini Ltda. 1995.

SORIANO, H.L, Estática das Estruturas, Editora ciência moderna, 2007.

DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA / Área de conhecimento ou matéria:

(20) Recuperação de Áreas Degradadas e Obras de Proteção e Recuperação Ambiental

^ PROGRAMA DE PROVA

1. Obras de proteção ambiental.

2. Geossintéticos: tipos e aplicações.

3. Geomantas e geocompostos para drenagem.

4. Sistemas de contenção de resíduos e efluentes.

5. Obras de proteção ambiental barreiras de silte e reforços de solo.

^ 6. Recuperação de áreas degradadas e contaminadas.

7 Legislação e normas relacionadas a recuperação de áreas degradadas.

8. As técnicas de recuperação de áreas degradadas.

9. Implementação de planos de recuperação de áreas degradadas.

^ 10. Monitoramento de áreas degradadas.

REFERÊNCIAS

CETESB. Manual de gerenciamento de áreas contaminadas. São Paulo:

Cetesb/GTS, 1999. Disponível em: www.cetesb.sp.gov.br/solo/areas_contaminadas/manual.asp

DIAS, L. E; MELLO, J. W. V. Recuperação de áreas degradadas. Viçosa:UFV, 1998.

DAVIDE,Antonio C.Seleção de Espécies vegetais para Recuperação de Áreas Degradadas. Simpósio Nacional de Recuperação de Áreas degradadas- SINRAD,1999.

GLUFKE,Clarice.Éspécies Floretais Recomendadas para Recuperação de Áreas Degradadas.Fundação Zoobotânica do Rio Grande do Sul.Porto Alegre,1999.

IBAMA.Manual de Reabilitação de Áreas degradadas.1990.

INGOLD,T.S. The Geotêxtiles and Geomembranes.Manual,Elsevir,London, 610 p. 1994.

KAGEYAMA,Paulo et al. Revegetação de Áreas degradadas:Modelos de Consorciação com Alta Diversidade. Simpósio Nacional de Recuperação de Áreas degradadas- SINRAD,1994.

KOERNER.R.M. Designing with Geosynthetics,Prentice hall Inc.1997. Lei Nº 6.938,31 de Agosto de 1981.

Manual Brasileiro de Geossintéticos, ABNT, 2004.

MASCHIO,Lucila et AL Evolução, Estágio e Caracterização da Pesquisa em Recuperação de Áreas Degradadas no Brasil. Simpósio Nacional de Recuperação de Áreas degradadas- SINRAD,1992.

MELO, I. S; SILVA, C. M. M. S; SCRAMIN, S; SPESSOTO, A.Biodegradação. São Paulo: Embrapa Meio Ambiente, 2001.

QUIAN,X/;KOERNER,R.M.&GRAD,D.H.Geotechnical Aspects of Landfill Design and Construction-Prentice Hall,Upper Saddle Riner,New Jersey 07458. 2002.

SHARMA,H.D.&LEVIS,S.P.Waste Containement Systems,Waste Stabilization and Landfils.Design and Evaluation-Joh Willy& Sons,In.New York. 1994.

VAN ZATEN,R.V.Geotextiles and Geomembranes in Civil Engineering.A.A. Balkema,Rotherdam, Netherlands, 654p. 1996.



Download 278.28 Kb.
Page3/3
Date conversion21.01.2013
Size278.28 Kb.
TypeДокументы
1   2   3
Place this button on your site:
end.exdat.com


The database is protected by copyright ©exdat 2000-2012
При копировании материала укажите ссылку
send message
Documents